Champagne ou Espumante ?

 In CHAMPAGNE, ESPUMANTE, GILVAN PASSOS

Para entender a diferença entre champagne e espumante: “Todo champagne é um espumante, mas nem todo espumante é um champagne”.

Para entender a diferença entre Champagne e Espumante é preciso ir além das borbulhas (perlage) na taça.

Espumantes são vinhos gaseificados naturalmente produzidos em diversos países e por meio de diferentes técnicas ou processos como o Champenoise ou Tradicional, Charmat e Asti (que falaremos em outro post). Podem receber diferentes nomes de acordo com a nacionalidade e conter diferentes níveis de açúcar – nature, extra brut, brut, demi-sec ou suave.

Assim como os demais vinhos, os espumantes apresentam as informações essenciais no rótulo e para estampar o nome champagne é preciso seguir rígidas regras de elaboração  que envolvem geografia, tipos de uvas e fermentação por exemplo.

Para usar o nome champagne, o vinho espumante deve ser elaborado na região de Champagne, na França, a partir das uvas Pinot Noir, Pinot Meunier e Chardonnay, cultivadas dentro desta região delimitada e respeitando rigorosos métodos de produção estabelecidos por uma legislação muito criteriosa.

E fora da Região de Champagne ?

Se o vinho for produzido com as mesmas uvas e técnica, porém, em outra região da França ou em outro país, deverá usar outro nome, como por exemplos: crémant para o espumante francês produzido na Alsácia, Borgonha, Bordeaux, entre outras regiões francesas; cava na Espanha; Sparkling Wine nos Estados Unidos e outros países de língua inglesa e espumante no Brasil e outros países de língua portuguesa – para citar alguns.

Tecnicamente, o espumante é um vinho que passa por uma segunda fermentação, em grandes cubas de aço inox ou na própria garrafa. A primeira fermentação, a alcoólica, comum aos demais tipos de vinhos, transforma o açúcar natural da uva em álcool. Já a segunda fermentação, é realizada com o objetivo de adquirir, naturalmente, a efervescência, resultando na espuma e nas tão apreciadas borbulhas. Quando realizada em tanques de inox, a técnica é chamada de Charmat e quando vai para a refermentação na garrafa é conhecido por processo Champenoise ou Tradicional, que é também o mais valorizado.

Na região de Champagne, em respeito aos rigorosos métodos de produção, a segunda fermentação deve, obrigatoriamente, ser realizada em garrafa, ou seja pelo método Champenoise.

Acompanhe abaixo o vídeo do consultor Gilvan Passos sobre espumantes gravado na Champanheria do Restaurante A Cozinharia com informações técnicas e uma demonstração de como abrir a garrafa de espumantes, ou de champagne é claro.