Vinho do Porto é sempre tinto e doce? Como beber e o que comer com o Vinho do Porto?

 In Uncategorized

Vinho do Porto é um vinho fortificado, que são aqueles que tem sua fermentação interrompida pela adição de uma bebida destilada, geralmente aguardente vínica com cerca de 77grau de álcool, e assim se transforma num vinho mais forte, ou fortificado e com alto teor alcóolico. 

O surgimento do vinho fortificado está relacionado com a conservação pois com a adição do álcool, a intenção era usar um conservante natural para aumentar sua vida, e, também, sobreviver ao transporte e armazenagem

O fortificado é geralmente e naturalmente doce pois a interrupção precoce na fermentação (com a adição de aguardente vínica) impede que o açúcar natural das uvas se transforme completamente em álcool e assim o vinho fica com mais açúcar residual.  Mas ele também pode ser seco, quando a aguardente vínica é adicionada no fim da fermentação – quando as leveduras já consumiram o açúcar da uva durante o processo. Na categoria de fortificado o mais conhecido é o Vinho do Porto.

. . . O PORQUE DO NOME VINHO DO PORTO . . .

A história do Vinho do Porto está relacionada a mais antiga região produtora de vinhos no Mundo, a Região Demarcada do Douro, no norte de Portugal. Ele integra a Denominação de Origem do Vinho do Porto e só pode ser produzido com uvas provenientes da Região Demarcada do Douro.

Sua descoberta é polêmica. A versão mais defendida data da segunda metade do Século XVII quando o vinho produzido no Douro e armazenado em Vila Nova de Gaia, a cidade do Porto, distante em torno de 100km, se tornou conhecida como Vinho do Porto pelo comércio com o ingleses e em seguida com os escoceses.

As barricas de vinho eram transportadas em barcos Rabelos pelo Rio Douro até os galpões na margem no rio em Vila Nova de Gaia onde a bebida era comercializada e distribuída. Com formato achatado, o barco Rabelo faz parte da história do vinho do Porto e atualmente a tradicional embarcação portuguesa é utilizada no turismo para passeios.

Os galpões em Gaia ainda guardam os vinhos do Porto nas suas Caves, mas agora com estruturas renovadas e abertas ao público para visitação onde se pode conhecer mais sobre o vinho e participar de provas guiadas. Algumas contam com restaurantes.

Contam que os mercadores Ingleses da época adicionaram brandy aos vinhos da região do Douro para evitar que ele azedasse. Mas essa técnica na verdade é bem mais antiga pois na época do Descobrimentos já era prática para conservar o vinho durante as longas viagens.

Mas a caraterística principal do Vinho do Porto está na zona de produção, no Douro, e nas castas utilizadas que hoje são protegidas para assegurar a tradição da bebida, além é claro da sua técnica de produção.

. . . Os tipos de Vinhos do Porto . . .

O vinho do Porto é uma bebida única, com diferentes características, especialmente de cor e aroma, provenientes da evolução, do envelhecimento do vinho.

No estilo eles variam entre branco, tinto ou rosé.

Entre os mais apreciados e mais comercializados estão os tintos que se diferenciam, especialmente, pela produção e tempo de envelhecimento. Os mais conhecidos são o Ruby e o Tawny.

O Porto Ruby na categoria dos mais jovens não é safrado e passa menos tempo em barricas de madeira (por dois a três anos somente). Seu envelhecimento se dá na garrafa. Ele apresenta cor mais preservada, mais intensa e caráter frutado. O Ruby vai encontrar seu auge ao longo dos anos.

Já o Tawny tem características da evolução e da oxidação proposital pela troca entre barricas onde o vinho já encontrou seu auge e está pronto para ser engarrafado e consumido. Sua cor retrata a evolução, pois o passar do tempo perda a tonalidade forte e  já se encontra bem mais clara. E seus aromas também evoluídos de frutos vermelhos para frutas secas.

. . . Quanto tempo o vinho do Porto dura na garrafa . . .

O vinho Tawny está pronto para consumo quando é engarrafado e que o Ruby ganha com o tempo em garrafa, mas afinal quanto tempo o vinho do Porto dura na garrafa. Ambos são produzidos para consumo imediato.

Os vinhos do Porto com maior potencial de envelhecimento são os Vinhos do Porto LBV ou Late Bottled Vintage que pode envelhecer bem em garrafa por aproximadamente cinco anos. 

Os Portos Vintage são os com maior potencial. Além da longevidade, pois podem ficar até 50 anos em garrafa, também contam com outras características diferenciadas. São safrados, ou seja, são produzidos com uvas colhidas em um ano específico, e, vão mais além, devem ser safras de excelência, consideradas excepcionais. É um vinho que surpreende com seus aromas e sabores tão diferentes com a passagem dos anos.

Mas lembre-se sempre que assim como as bebidas em geral, o vinho do porto deve ser bem armazenado, longe da luz forte, em temperatura ideal de 15 graus numa adega, em local resfriado ou num cantinho da geladeira onde fica menos frio.

. . . Servindo e harmonizando o Vinho do Porto . . .

Versátil, o Vinho do Porto é consumido puro e usado na coquetelaria e até na preparação de receitas. Apreciado como aperitivo e também como digestivo acompanhando sobremesas – em especial as com chocolate ficam divinas.

O Vinho do Porto deve ser servido sempre fresco, o branco e rosé gelados. O Ruby deve ser consumido a uma temperatura entre 12 e 16 graus e o Tawny entre 10 e 14 graus.

Para servir puro, use taças pequenas pois com a alta graduação alcóolica, o consumo deve ser menor.

Na harmonização devemos sempre levar em consideração o nível da doçura do vinho para conseguir um equilíbrio na combinação. O Porto pode variar de 40 gramas de açúcar até 130 gramas / por litro. Traduzindo: de extra seco até muito doce.

Vou deixar aqui algumas dicas de harmonização com Vinho do Porto:

Vinho do Porto Branco ou Rosé – perfeitos como aperitivos como mix de castanhas e até com azeitonas, puros bem geladinho e em drinques como o Porto Tonic (receita no próximo Post).

Vinho do Porto Tawny – a cor acastanhada já sinaliza as notas de nozes e castanhas do vinho que combina bem com mix de nuts usadas em aperitivos e sobremesas e ainda vai bem com queijos maturados.

Vinho do Porto Vintage – mais complexo e mais elegante é mais sofisticado na harmonização e acompanha perfeitamente queijo azul, damascos, tâmaras e figos secos.

Vinho Ruby e LBV – o Ruby, jovem, doce e frutado compõe bem com queijos salgado como parmesão e gorgonzola. Igualmente com frutas vermelhas e chocolate (meio amargo) puros, em molhos ou em sobremesas.

Acesse nos próximos posts deliciosas receitas com Vinhos do Porto.